Skip to main content

Home/ Colaboratorio Educa/ Group items tagged entrevista Rifkin

Rss Feed Group items tagged

Colaboratorio Educa

O meu alfabeto da esperança. Por Jeremy Rifkin - 0 views

  •  
    Temos duas semanas para puxar o freio de emergência e evitar a catástrofe climática. Mas para alcançar esse objetivo, devemos romper os velhos esquemas: não mais só obrigações, mas espaço para a Terceira Revolução Industrial que não é nem de direita nem de esquerda. A reviravolta de Obama é a premissa para uma mudança que deverá ser muito mais radical: sem a visão de conjunto, sem a capacidade de pensar a longo prazo, o lançamento das fontes renováveis fica privado de bases sólidas. Eis um alfabeto para entender o que está em jogo, a partir das ideias de Jeremy Rifkin, publicado no jornal La Repubblica, 07-12-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto...
Colaboratorio Educa

"Finalmente, teremos novas leis, e só assim venceremos o efeito estufa", afir... - 0 views

  •  
    Aliviada das censuras de Bush que haviam levado à demissão da ex-diretora Christine Whitman, a Environmental Protection Agency (EPA) se realinhou à comunidade científica internacional ao expressar o alarme pelo risco climático. Agora, serão reabertos os jogos do ponto de vista das leis antiefeito estufa? "Durante a presidência Bush, cerca de 15 Estados já haviam iniciado um contencioso com a Casa Branca para ter carta branca na normativa contra o efeito estufa", responde Jeremy Rifkin, o presidente da Foundation on Economic Trends. "Agora crescem as possibilidades de uma mudança legislativa". A reportagem é de Antonio Cianciullo, publicada no jornal La Repubblica, 18-04-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto. Porém, os negacionistas não se rendem: continuam colocando em discussão as responsabilidades humanas no aumento do efeito estufa...
Colaboratorio Educa

O tempo não é o clima. Entrevista com Jeremy Rifkin - 0 views

  •  
    Um Réveillon com um casaco pesado, alguns aeroportos fechados pela neve e logo o ataque dos ecocéticos: "O global warming está enfraquecendo". Há verdadeiramente uma inversão de tendência? "Na literatura científica internacional, não existe sinal dessas dúvidas", responde em seu escritório de Washington Jeremy Rifkin, presidente da Foundation on Economic Trends. "Talvez, na Itália, ainda exista alguém que confunda o tempo com o clima. Porém, o conceito é simples: tentarei repeti-lo. Para entender aonde o clima vai, deve-se observar os longos períodos, levar em consideração a sequência dos anos. E desse ponto de vista, o quadro é claro: os anos 80 foram os mais quentes da história da meteorologia, os 90 ganharam dos 80, e este início de século segue a tendência de elevação da temperatura". A reportagem é de Antonio Cianciullo, publicada no jornal La Repubblica, 13-01-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto."
Colaboratorio Educa

Aproveitem o sol e o vento, aconselha Jeremy Rifkin - 0 views

  •  
    Após vinte anos desde o referendo realizado na Itália, a energia do átomo volta a dividir. Aos 8 e 9 de novembro de 1987, os três quesitos que exigiam o bloqueio da corrida prefencial pelos implantes nucleares obtiveram uma avalanche de sim; hoje um novo temor, o da mudança climática produzido pelo uso dos combustíveis fósseis, redimensionou o velho temor, relançando o partido do átomo. A reportagem e a entrevista com Jeremy Rifkin é de Antonio Cianciullo e publicada pelo jornal La Repubblica, 7-11-2007. Devemos esperar uma reviravolta energética? "Uma perspectiva desse gênero seria devastadora: um gigantesco desperdício de dinheiro e de oportunidades", responde Jeremy Rifkin, teórico da economia do hidrogênio e consultor da União Européia para as estratégias energéticas. "A Itália é um país que tem grandes possibilidades no campo da eficiência energética e das fontes renováveis. Pode fazer uso de um bom potencial em campos estratégicos, como o solar e o eólico. E tem centros de pesquisa, como a Universidade do hidrogênio em Monópolis, na Puglia, que podem estimular o nascimento de uma fileira produtiva nacional.
Colaboratorio Educa

"Uma ocasião desperdiçada. Esse pacto nasce velho". Entrevista com Jeremy Rifkin - 0 views

  •  
    Conferência de Copenhague.. reportagem jornal La Repubblica, 20-12-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto. A possibilidade de uma interrupção do processo de negociação era, no entanto, muito concreta. A Europa é a maior economia mundial. É chamada a assumir a responsabilidade da liderança: deve liderar o processo, não se somar a escolhas externas. E tem a possibilidade de fazer isso porque dispõe de líderes capazes de visão e de setores econômicos avançados: desperdiçar essa ocasião seria um erro gravíssimo. O que significa na prática assumir a liderança econômica? Liderar a Terceira Revolução Industrial, baseada na eficiência energética e nas energias renováveis, no hidrogênio e nos edifícios que produzem mais energia do que a que consumimos. Sobre esse projeto, pode-se forjar uma frente que compreenda países de tecnologia avançada e países em desenvolvimento, oferecendo os instrumentos mais avançados para quem ainda não desenvolveu a Segunda Revolução Industrial. Desse modo, é possível pular uma fase de desenvolvimento, levando por exemplo as energias renováveis a quem nem conectou a rede elétrica e mantendo juntos o crescimento econômico e os cortes às emissões. Que perspectivas existem depois de Copenhague? Não existe um plano B. Não há uma alternativa à contenção dos gases do efeito estufa porque não temos um planeta de reserva: temos que defender a vivibilidade daquele em que habitamos. E por isso é preciso evitar que percamos mais tempo. Não podemos nos permitir falhar no próximo encontro: a cúpula do clima de 2010 na Cidade do México. É preciso chegar a acordos fortes, vinculantes e que possam ser medidos. Tudo vai ficar parado por 12 meses? Absolutamente não. A Terceira Revolução Industrial progride seja do alto como de baixo. Há os acordos quadro que fornecem o marco para as grandes estratégias, mas existem também as escolhas dos indivíduos e das administrações locais: nós temos de fato
Colaboratorio Educa

A civilização da empatia. Entrevista com Jeremy Rifkin - 0 views

  •  
    novo livro de Jeremy Rifkin "La civiltà dell`empatìa" [A civilização da empatia], há a mensagem de que somos uma espécie animal "empática", treinada a provar compaixão, participação, solidariedade. A reportagem é do jornal La Repubblica, 05-03-2010. A tradução é de Moisés Sbardelotto. A 2a mensagem "nossa empatia, durante milênios, foi exercida dentro de círculos restritos, da família à comunidade agrícola até o Estado-nação, não se adaptou à extensão global da nova comunidade humana." Reprogramar a nossa consciência, aplicar a empatia em escala planetária é urgente se queremos evitar a destruição da nossa espécie (e de muitas outras). Propõe um plano ambicioso para resolver a equação energética: aplicar à energia o modelo da Internet, no sentido de uma revolução a partir de baixo, um sistema de produção e de consumo difuso, capilar, descentrado e flexível. (...) muitos sinais indicam que estamos verdadeiramente em um ponto de mudança na história da espécie humana. O nosso destino pode ser jogado de modo fatal dentro de poucas décadas. Dois sinais recentes confirmam isso. Um foi a grande crise alimentar de 2008, que precedeu (e na realidade provocou) o colapso das finanças globais: sob a pressão do crescimento chinês e indiano, o petróleo chegou aos 147 dólares por barril, o aumento da produção agroalimentar provocou tumultos por causa do arroz e do pão em muitas nações emergentes. O segundo sinal foi o fiasco da cúpula de Copenhague sobre o ambiente: os mesmos líderes que não souberam prever o desastre de 2008 foram incapazes de enfrentar as mudanças climáticas. (...) Smos ainda prisioneiros da tradição iluminista, do pensamento de Locke e de Adam Smith: aquele que nos representa o homem como um ser racional, materialista, individualista, utilitarista. Se continuarmos usando esses instrumentos intelectuais do século XVIII, estamos verdadeiramente condenados. Dentro desse quadro cultural é impossível
1 - 6 of 6
Showing 20 items per page